24.9.09

ping pong

poesia é algo controverso
pra não dizer contra-o-verso
algo maldito, feito doce
doçura
poesia é um proibidão
de fuzil na mão, é o erro dês-
elegante, tipo moça que
queda de sal-to-al-to
ao descer a escada. essa poesia,
essa menina, bem vestida
de esmaltes vermelhos, que adora
se olhar no espelho, esse remédio
pra vaidades e promessas vãs
essa tormenta pr’os vagabas
praianos de cabelo parafinado
essa desilusão cruel aos doutos
titulados, esse eterno
ping
pong
de oswald e mário.
esta poesia que só vale a pena
quando me adula, me louva
faz de suas linhas as
minhas, faz romper
com toda força esta barreira
esta arbitrária trincheira
entre arte e
vida.

5 comments:

Lucas said...

clap, clap, clap!
aplausos a Don Rattes!

Laura Assis said...

"poesia é um proibidão
de fuzil na mão, é o erro dês-
elegante, tipo moça que
queda de sal-to-al-to
ao descer a escada."

Bom DEMAIS.
É isso. O erro.
O erro exato.

=*

anel said...

as vezes eu sei exatamente sobre o que cê tá falando, brodi.

Espaço Democrático de Debates said...

Carissímo Rattes,
É impossível não se encantar por estes seus versos,camarada!
Versos estes que são tão leves,mas tão profundos,que revelam a genialidade do seu fazer poético!
Sou suspeito,pois mais que seu amigo,sou seu fã.
contudo,não se trata de legislar em causa própria:trata-se,outrossim,de reconhecer que você é um magnifíco Ser Humano e um Explendido Poeta!
Parabéns,Nobre Amigo.

Ps:"Um Proibidão de Fuzil na Mão".Nada mais atual e poético.

Thiago Pires

anel said...

meu blog agora é


www.vacacontemplativaemterrenobaldio.blogspot.com