25.10.15

Maré

ressaqueado, transatlântico de flores
banhando os pés de amantes. grita lá
a  mãe: menino, não vá longe no mar.
 barulho e concha, silício de memória
é ostra. aberta feito alimento, artesã.

da calçada, vendo apenas as velas, eis
que embarcado um sentimento nobre
flor. traz arrasto, a noite, sorve catuaba

sopa de caranguejo
oração, odoiá.


15.10.15

Estudo 1

lição moral: em nenhuma
circunstância ou ocasião
cabe dizer (por modos)
que não se deve aplicar
canonismos de ocasião.
diz o dicionário que
tal pratica consiste
em visar na crítica
apenas o pragmático
(ou aplauso)
sinônimo: canonismo de resultado
aprendi com os melhores
(craques da pena e bola)
que a arte não tolera
oportunismos covardes

23.9.15

Até mais

feito um rio de acordes
uma última história.

nem poesia, nem Coltrane

um último drink
um beijo gelado
um riso de morte.

23.3.14

Seminário de poesia brasileira

I
a fisiologia das palavras - insiste,
consiste em adotar floreios.
em certo lugar já não memora,
embora insista em truques

II
sem tempo para novos manuais
e na falta de velhos, inventa
retinto, um papel que não permite
estratégias de um poema esperto.

III
lacrimeja: esqueçam tudo que li!
fogueira, isso sim, é destino vil
para um graúdo trabalho acadêmico
“A com louvor” e o indico:

IV
para publicação. antes que tudo
que escreveu forre gaiolas.




1.2.14

Subúrbio (2)

-III-

adentrar o longo beco significava cruzar
o vento que junto da panela de pressão
assobiava um samba de Cartola.

-XII-

aponta um sol laranja
de estranho nome:
- crepúsculo.
toda tarde decora
a linha reta que insistimos
em entortar cada dia,
com a teimosia de quem
insiste em viver como
disseram que não se pode.








Para ler/baixar a série completa de poemas, "Subúrbio", clique aqui.

25.11.13

o artista

ao Dnar Rocha (25/11/2006)


cores fulgidas
paisagens torpes, condecorando
a natureza
que sobrevive
nos traços
tácitos, do sábio
pincel silencioso, onde
a inspiração respira
a modernidade

o artista
compartilha-se na obra

seus olhos
braços
e boca
sobrevivem
(entre flores e igrejas)
nos relevos das tintas
sóbrias
por sobre a tela da vida
que consagra
o olhar
o andar
do artista
que, agora, timidamente
desfila no infinito


Mar de Montanhas – Dnar Rocha

14.9.13

b-girl

risca o ar feito fogo sacro
de assalto toma o espaço
dos calcanhares equilíbrio

procissão viva de ritmo
a meia lua fala em corpo
onde a perna em fuga avisa

o scratch marca o solavanco
não é encosto nem exu
nem maldição de preleção

e se texto fosse fenômeno
abriria mão dos pontos
se ciência fosse: descoberta

tem por hábito cruzar braços
nada se respeita, nem gravidade
nem oponentes, nem corpo


apenas o groove.