2.2.09

patricinha mor

seus lábios delineados, cabelo impecável
são uma espécie de armadilha para este poeta
que vos fala sobre suas desilusões
ou simplesmente prepara mais versos
para curtir uma de eterno apaixonado

mas, sim, falava de seus lábios (!)
reluzentes de longe,
nesta rua escura
decorando a paisagem chata
e sem graça da cidade
num dia de quase chuva

e que sorriso malandro você apresentava
disfarçando sua exacerbada classe social
que lhe fornecia o título de patricinha-mor
e eu que sempre botei banca de descolado
fiquei babando por ti

decidi que vou te botar em verso
desse jeito, sem jeito
pra te fazer dançar na folha branca
em letras garrafais
pra te fazer dormir
nos braços da miséria gostosa
da vida de verdade
e observar teus lábios delineados
enquanto repousa nos meus versos marginais

4 comments:

Anonymous said...

esses marotos versos garrafais...

Gabriel said...

as patricinhas são assim, doces encantos da maldade em forma de mulher perfumada.

abraço

Lara Romano Daibert said...

que coisa mais bonitinha!
dá vontade de ter lábios tão lineados a ponto de merecer versinhos tão gostosos.

Anonymous said...

Concordo com vc, tambem achei q essa poesia ficou a minha cara. Adorei!!!!!! Beijos