22.11.08

Desabafo

essa vida é uma aposta furada estapafúrdia
um sem fim de versos marginais
dissonantes como os acordes mais
fortes, da guitarra de Lúcio Maia
rasgados, mal-educados, diacrônicos
sílabas apertadas livres
apertos incontáveis
tristes, tipo
uma nóia de Manu(el) Bandeira

Meu caro poeta, aprendi errando
que a palavra é arma mortal
um puta tiro que insiste em sair
pela culatra
e atingir a boca errante
de quem fala
a amarrar as mãos de quem
as escreve
a palavra é forma ingrata tal
o corpo de quem recebe as doses
alopáticas do bombardeio poético
e de cara fechada
vê a vida passar.



p.s: Importa mesmo é que o Galo Carijó é campeão. E eu estava lá.

3 comments:

Anonymous said...

Acho que entendi a mensagem..huuauahuahuhaua

toma cuidado lindinho, a vida é dura

Lúcia said...

a aflição do poeta merece destaque. compaixão. um abraço. um beijo. resignação.


saud~ções.

Anonymous said...

o poeta deu topaum com o dedo no pe da cama e acordou de mal humor